Brasileiros

A arte e a cultura contra Donald Trump

Arte

A poucos meses da sua eleição e agora novamente, Trump ganhou unânime repúdio entre artistas, especialistas e instituições da cultura
Da Redação
Publicado em: 09/02/2017 - 13:12Alterado em: 26/10/2017 - 13:23
Cartazes que integram a série “We the people”,de Shepard Fairey

Na terceira semana de Agosto de 2017, o Comité de Artes e Humanidades (PCAH) do Governo Federal Americano, sitiado na cidade de Whashington e criado em 1982 durante o governo de Ronald Reagan para assessorar a presidência nas questões sobre cultura, declinou em bloco seu mandato, com o argumento de que as declarações de apoio do Presidente Trump aos grupos e atentados fascistas deste ano, são intoleráveis. O Comité friza que discriminação e supremacia não são valores americanos e chega a enfatizar,  "Seus valores, Presidente, não são valores americanos". 

 

 

Alertas começaram poucos dias após Donald Trump assumir a presidência dos Estados Unidos e, seguindo discurso da atriz Meryl Streep no Globo de Ouro contra a anunciada política de restrição aos imigrantes, mais de 80 críticos, curadores e artistas assinaram uma carta de oposição ao decreto de Trump, que impedia a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos nos EUA. No documento, eles alegaram que a medida precisava ser revista, já que ela poderia exacerbar a crise dos refugiados e o preconceito de raça e religião. A carta foi assinada dentre outros pelos artistas Barbara Kruger, Joan Jonas, Danh Vo, além de instituições culturais como o Los Angeles Museum of Contemporary Ar e a Marian Goodman Gallery.


Performances, cartazes e petições foram criadas em protesto, Nomes consagrados como Anish Kapoor, Christo e Richard Prince fazem parte do time de artistas que se manifestaram. Confira abaixo algumas das ações selecionadas pela ARTE!Brasileiros.
 

 


Beuys atualizado

Um dos escultores mais famosos do mundo, o artista britânico-indiano Anish Kapoor se manifestou contra a medida de Trump que restringe a entrada de estrangeiros no país. Ele concebeu uma obra de protesto inspirada no pôster da icônica performance I Like America and America Likes Me, do alemão Joseph Beuys. Kappor recriou o cartaz, inserindo a sua própria imagem na obra e a renomeando como I Like America and America Doesn’t Like. Recentemente, o artista também doou o prêmio de US$ 1 milhão, que recebeu do Genesis Prize Laureate, para os refugiados sírios.
 

Esboço do Projeto “Over The River”, Christo. Foto: Divulgação


Projeto cancelado

O artista búlgaro Christo, naturalizado norte-americano em 1973, trabalhava havia 20 anos em um projeto no Estado do Colorado. Conhecido por suas obras de grandes dimensões que interferem na paisagem, o artista desenvolvia um toldo prateado que percorreria uma extensão de 68 km sobre o rio Arkansas. Após um investimento pessoal de cerca de 14 milhões de euros, Christo anunciou que não pretende continuar a obra durante o mandato de Trump, já que ela seria erguida num terreno pertencente ao governo federal.
 

Vista da exposição. Foto: Divulgação


Protesto chega ao MoMA

Um dos museus mais importantes dos EUA, o MoMA  também se posicionou contra as medidas do presidente recém-eleito. Os curadores da instituição decidiram expor obras de artistas de nações de maioria muçulmana, cujos cidadãos foram impedidos de ingressar no país. As obras estão no quinto andar da instituição, local destinado ao acervo permanente. Pinturas de Picasso e Matisse foram substituídas por sete trabalhos de artistas como a arquiteta iraquiana Zaha Hadid e o pintor sudanês Ibrahim el-Salahi.
 


Trump contra a constituição

Durante as eleições de 2008, o artista Shepard Fairey idealizou o famoso pôster com o rosto de Barack Obama e a palavra Hope. Agora, ele recria o mesmo cartaz, mas com fotos de latinos, imigrantes e negros, os três grupos que o artista considera mais ameaçados após a vitória de Trump. Os cartazes foram espalhados por várias cidades no dia da posse do republicano. Em todos há a frase “We the people”, retirada da primeira linha da constituição norte-americana.

 

 Projeto “Subway Theraphy”. Foto: Divulgação


Desabafo no metrô

O artista americano Matthew Chavez resolveu criar um espaço para que os cidadãos de Nova York pudessem desabafar após a eleição de Trump. No túnel da 14th Street, que liga duas estações do metrô, ele disponibilizou uma sacola post-it e canetas e pediu para que cada transeunte escrevesse uma nota e a prendesse às paredes de azulejos brancos.  No mesmo dia, cerca de 1.500 pessoas haviam deixado mensagens como  “Nossa democracia é mais forte do que isso” e “ Isso tudo passará”. Os recados fazem parte do projeto Subway Therapy, que em breve será lançado em livro.


 

Assine e Colabore

Precisamos do seu apoio. Por menos de um café com pão de queijo, você garante jornalismo com rigor editorial.

X

Acesso restrito a assinantes e cadastrados

Você atingiu o limite de 5 REPORTAGENS por mês

Identifique-se para continuar e ler 10 Reportagens por mês

Cadastre-se

ou

Conecte-se com o Facebook

já sou cadastrado

Colabore conosco!
Colabore com o futuro do jornalismo de qualidade.
Assine agora e tenha acesso ilimitado

Aproveite nossa promoção de lançamento e pague apenas R$ 1,90/mês*

Quero Assinar * Promoção válida até 31 de Dezembro de 2017