Brasileiros

O samba esquema novo de Antônio Carlos e Jocafi

Cultura
- Quintessência

'Mudei de ideia', álbum de estreia da dupla baiana, de 1971, deu proposições renovadoras à maior tradição da canção popular brasileira – além de contar com a participação incendiária do guitarrista Lanny Gordin
Marcelo Pinheiro
Publicado em: 10/01/2018 - 06:47Alterado em: 20/01/2018 - 14:08
A dupla de cantores e compositores baianos Antonio Carlos e Jocafi em recorte da imagem da capa de seu terceiro álbum, epônimo. Foto: Divulgação / RCA Victor

O leitor mais atento haverá de perceber, claro, que o título desta resenha faz alusão ao álbum de estreia de Jorge Ben, tema de reportagem especial da Brasileiros impressa, na ocasião dos 50 anos do LP lançado pela Philips em 1963.

Mudei de Ideia, o tal veredicto do samba esquema novo de Antonio Carlos e Jocafi, resultou da união entre os baianos Antônio Carlos Marques Pinto e Jocafi (abreviação de João Carlos Figueiredo, daí o Jocafi), cantores e compositores experimentados nos numerosos festivais de música popular da segunda metade dos anos 1960 e artistas que, ao somarem forças criativas – e como as tinham! –, fizeram enorme sucesso no País, primeiro com as composições Hipnose e Desacato, depois com o êxito do samba Catendê.

Escrita a seis mãos, com letra do conterrâneo poeta Ildásio Tavares e inspirada em cânticos religiosos angolanos, Catendê foi defendida por Maria Creuza, então mulher de Antônio Carlos, e venceu o V Festival de Música Popular em 1969 (três décadas mais tarde, em artigo no qual recorda os primeiros passos da dupla, Tavares lembrou que Antônio Carlos e Jocafi mantinham saudável rivalidade na Salvador do final dos anos 1960 e nem sequer conversavam um próximo do outro, para que não houvesse roubo de ideias).

Entre um festival e outro, obcecado pelas raízes e a sincopa afro da música baiana, Antônio Carlos compôs, em 1968, Festa no Terreiro de Alaketu. A canção, claro, logo ganhou interpretação na voz forte de Maria Creuza e impulsionou a vinda do casal para São Paulo a convite de Paulo Machado de Carvalho, o poderoso chefão da TV Record.

Antes de mesmo de testar a repercussão de Festa no Terreiro de Alaketu no Festival Internacional da Canção organizado por sua emissora, Carvalho, astuto, contratou Antônio Carlos e Maria Creuza como artistas exclusivos da Record. A aposta no sucesso dos dois era tamanha que o magnata chegou, inclusive, a alugar e ser fiador de um apartamento na Rua Augusta, espaço que ele fez questão de colocar à disposição dos baianos para quando necessário fosse eles virem a São Paulo.

Ressonando o entusiasmo da direção da emissora de TV, a gravadora Odeon não perdeu tempo: agendou em estúdio álbuns individuais de Antônio Carlos e de Maria Creuza, de maneira que era mesmo presumível acreditar que as viagens do casal à capital paulista seriam cada vez mais regulares.

Seriam, de fato, pois o agente de ambos conseguiu convencê-los de que estavam prestes a cair numa armação arquitetada pelo poderoso Marcos Lázaro. Jovem e ingênuo, Antônio Carlos não hesitou e, nos jornais locais, decidiu malhar o empresário carioca. O resultado da tola insurreição não é difícil de presumir: foram rompidos os contratos com a Record e a Odeon, a música nem sequer chegou a ser apresentada no festival e o casal teve de devolver ao chefão da Record as chaves do apartamento na rua Augusta para encarar uma amargurada volta à Bahia.

Ao retornarem a Salvador, municiados da determinação de sempre, eles logo ergueram a cabeça e seguiram a máxima “o show tem que continuar”. Decidiram então participar de mais uma edição do Festival do Samba da JS, evento local organizado pelo pianista, locutor de rádio e publicitário Jorge Santos. Em 1962, por meio de sua gravadora JS Discos, fundada três anos antes para gravações de jingles e campanhas de rádio, Santos proporcionou a estreia em estúdio de Gilberto Gil, como compositor e músico, quando ele acompanhou, empunhando um acordeon, o grupo As Três Baianas no 78 rpm Bem Devagar – o trio, que foi o embrião do Quarteto em Cy, reunia as irmãs Cynara e Cybele e a prima Ana Lucia.

Para desalento dos rivais, a participação de Maria Creuza e Antônio Carlos no festival da JS foi eclipsada por Jocafi, o grande vencedor, com D’Angola C’Amará (gravada depois pela dupla no álbum Louvado Seja). Pouco depois, em parceria com Antônio Carlos, Ildásio Tavares passou a trabalhar para a JS Discos, como letrista, em álbuns como o hoje raríssimo Apolo 11 lançado por Maria Creuza em 1969, que contém quatro letras suas. Foi nessa ocasião também que Jocafi topou o caminho de Tavares e pediu a ele a letra de Catendê. Sorte nossa, os rivais enfim se aproximaram e formaram uma das duplas mais amadas do País nos anos 1970. 

Mas, voltando ao início desse texto, perguntará você, caro leitor, “afinal, que conexão há entre as estreias do Babulina e a desse par de compositores de sambas grudentos?”. Mas, que nada! Com o perdão da citação dupla, bidu ou dotado de bom ouvido é aquele que justamente percebe a modernidade que há entre o que fez Jorge em Samba Esquema Novo e o que fizeram Antônio Carlos e Jocafi logo em seu álbum de estreia.




Capa original do álbum "Mudei de Ideia". Foto: Divulgação / RCA

Lançado em 1971, Mudei de Ideia é obra despretensiosa, mas que, no entanto, lida, do começo ao fim, com estatutos de perfeição – predicado para lá de extensível a Samba Esquema Novo. Apesar das diferenças estéticas entre os dois álbuns, é inconteste que ambos deram um banho de modernidade e juventude às tradições do samba – no caso dos baianos, mais especificamente, somado ao que eles propuseram para a renovação do gênero, há na essência de suas composições informações da bossa, da jovem guarda e até do tal som universal dos tropicalistas. Assim souberam, como poucos, seduzir ouvintes com a velha ilusão de que se estar diante de algo simples, prosaico e ordinário como a vida pode ser, nos tropeços e nas dores do dia a dia. Assim Antônio Carlos e Jocafi fizeram de seu Mudei de Ideia um disco festivo, com muito frescor, de grande celebração, mas que em momento algum repele a dor.

Pelo contrário. Compositores astutos, eles beberam da sabedoria do patriarca do samba baiano Dorival Caymmi e sensibilizaram multidões com o artifício da empatia, como fizeram em Você Abusou, de melodia persistente, que nos faz lembrar que sentir dor de cotovelo é algo universal, com o acréscimo da irônica desculpa pelo simplismo de frases como “mas não faz mal, é tão normal ter desamor…” e “se o quadradismo dos meus versos vai de encontro aos intelectos que não usam o coração como expressão”.

Mas não se deixe enganar pela enorme sensibilidade popular da dupla, caro leitor. Afinal, as mensagens e a musicalidade irresistível de Antônio Carlos e Jocafi têm segredos para lá de calculados, explorados desde a estreia fonográfica da dupla. Os músicos envolvidos no registro e o esmero nos arranjos de Mudei de Ideia – assinados por quatro batutas de arrepiar: H. Silvestre, Alexandre Barreto, José Briamonte e Rogério Duprat – não deixam dúvidas. Multi-instrumentistas talentosos, Antônio Carlos e Jocafi também tiveram um time da pesada a seu dispor, time que incluiu até mesmo o incendiário guitarrista Lanny Gordin, curinga de luxo dos tropicalistas.

Além de Lanny, participaram das gravações Messias (violão, viola e banjo), Germano (violino), João Carlos (orgão), Ney e Norival (bateria), Zé Carlos, Boneca e Cláudio (contrabaixo), Jorginho Cebion, Zezinho, Oswaldinho, Osmar, Guilherme e Hermes (ritmistas). Mudei de Ideia também conta com intervenções de gaita de seu coordenador artístico, Rildo Hora (o diretor artístico do LP foi Alfredo Corleto).

Dito tudo isso, julgo desnecessário ficar aqui comentando características de pérolas como a canção que dá nome ao álbum, Kabaluerê, Hipnose, Morte do Amor, Bonita e Deus o Salve – está última também letrada por Ildásio Tavares. 

Fato é, sorte nossa, que Antônio Carlos e Jocafi fizeram de Mudei de Ideia belíssimo abre alas para uma discografia exemplar, que cruzou os anos 1970 e o começo da década de 1980 com um punhado de sambas modernos e absurdamente ritmados, temas que, por sua modernidade, ainda espalham gestos espasmódicos em nosso corpo e nos convidam a dançar, dançar e dançar ao som das belas harmonias vocais que tanto grudam nos ouvidos, sejam elas cantadas pela dupla em português, nagô ou em bom yorubá.

Ouça, na íntegra, o álbum Mudei de Ideia 

  

Veja a dupla em um pout-pourri apresentado no programa Elis Regina Especial, em 1971, pouco após o lançamento de Mudei de Ideia

Boas audições e até a próxima Quintessência!

Originalmente publicado no site da revista Brasileiros em 7.8.2014

MAIS

- No começo dos anos 1970, Você Abusou foi surrupiada pelo compositor Frances Michel Fugain, com o título Fais Comme L´Oiseau (em português “Sou Como Um Pássaro”, ouça) e fez tamanho sucesso na França que se tornou hino informal do Partido Socialista. O furto da melodia foi alvo de um complexo processo vencido pelos baianos. Você Abusou também seduziu Stevie Wonder, que apresentou uma releitura da canção, fundida à melodia e a letra de Garota de Ipanema, na ocasião em que o gênio norte-americano se apresentou na praia de Copacabana em 2012.

- Selecionei abaixo três depoimentos sobre a dupla, dois de Ildásio Tavares e o terceiro de um fã mais que ilustre, o escritor Jorge Amado, que teve sua obra reverenciada em várias canções dos baianos:

“Antônio Carlos e Jocafi debruçaram-se sobre a língua certa do povo. E deveram muito do seu sucesso à linguagem direta, coloquial, mas nova de suas letras. A reapropriação que a dupla fez do vocabulário, sintaxe e poesia popular fê-los adquirir um esquisito sabor de novidade no eixo Centro-Sul, chegando até a difundir palavras, a fazer os cariocas e paulistas falarem como baianos e usar termos populares da Bahia.”

“Na época, a crítica chegou a chamá-los de salvadores do samba. E isto se deve, não só ao suingue diabólico que a dupla implantou – com um estilo definido de cozinha no samba, explorando muito a percussão, com o surdo à frente –, mas principalmente à comunicabilidade de suas letras calcadas em imagens e ressonâncias coloquiais, todas de grande impacto e um estilo de cantar com um mini-breque à la Mario Reis.”

“Há palavras, hoje de domínio nacional, que são baianismos que eles consagraram nas canções. Uma delas é brega, que aparece (cantada) pela primeira vez no Brasil na canção Perambulando (ouça a versão dos Golden Boys) da novela O Primeiro Amor, de 1972. Esta palavra tem uma origem curiosa. Vem da placa corroída da Rua Pe. Manoel da Nóbrega, em Salvador, e esta era uma rua de prostituição. A moçada dizia ‘vamos na rua Brega’, ‘na rua do brega’ e, finalmente, ‘vamos no brega’.”

Ildásio Tavares, poeta, romancista, ensaísta e compositor baiano, morto em 2010

“O sucesso acompanha a dupla Antônio Carlos e Jocafi desde que ela se formou e apareceu diante do público. Sucesso merecido. Aliás, duplamente merecido quando as músicas por eles compostas são interpretadas por Maria Creuza, voz da Bahia.”

Jorge Amado

 

Assine e Colabore

Precisamos do seu apoio. Por menos de um café com pão de queijo, você garante jornalismo com rigor editorial.

X

Acesso restrito a assinantes e cadastrados

Você atingiu o limite de 5 REPORTAGENS por mês

Identifique-se para continuar e ler 10 Reportagens por mês

Cadastre-se

ou

Conecte-se com o Facebook

já sou cadastrado

Colabore conosco!
Colabore com o futuro do jornalismo de qualidade.
Assine agora e tenha acesso ilimitado

Aproveite nossa promoção de lançamento e pague apenas R$ 1,90/mês*

Quero Assinar * Promoção válida até 31 de Dezembro de 2017