Brasileiros

As redes sociais estão deixando você mais depressivo?

Página B - Inovação

Não é só impressão. Estudo publicado na “Depression and Anxiety” diz que frequência do uso das redes está associada a risco aumentado para o desenvolvimento ou recrudescimento de sintomas
Coil Lopes
Publicado em: 23/03/2016 - 00:00Alterado em: 18/09/2017 - 15:19

Quanto mais tempo você passar nas mídias sociais, maior será a probabilidade de apresentar sintomas de depressão. Cyberbullying, discussões, imaginar que outras pessoas são mais felizes e demais experiências intensas vividas na rede contribuem para piorar ou desenvolver o quadro. É o que mostra uma pesquisa da Pittsburg School of Medicine, financiada pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos e publicada na edição on-line do periódico Depression and Anxiety. 

A pesquisa entrevistou 1.787 americanos adultos com idades entre 19 e 32 anos. Foram utilizados questionários para avaliar a intensidade do uso de mídias sociais. As perguntas foram sobre as 11 plataformas mais populares no momento: Facebook, YouTube, Twitter, Google Plus, Instagram, Snapchat, Reddit, Tumblr, Pinterest, Vimeo e do LinkedIn.Também um outro formulário foi utilizado para avaliar escalas de depressão. 

Em média, os participantes usaram as mídias sociais um total de 61 minutos por dia. Vários visitaram os meios de comunicação mais de 30 vezes por semana. Como resultado, os pesquisadores encontraram que mais de um quarto tinham “altos” indicadores de depressão.

Também pessoas que relataram maior frequência de uso das mídias sociais durante toda a semana tiveram 2,7 mais chance de ter depressão. Já os que passaram menos tempo em mídias sociais semanalmente, mas registravam uso frequente em alguns dias, também apresentaram risco aumentado de 1,7 para a doença.

Esse foi o primeiro estudo grande a fazer uma associação entre o uso de uma ampla gama de meios de comunicação e depressão. Segundo os autores, estudos anteriores sobre o assunto tiveram resultados mistos, mas foram limitados por amostras pequenas ou localizadas. A maioria das pesquisas também se concentrava em uma plataforma específica.

Orientação para políticas públicas

“Como a mídia social tornou-se importante para a interação humana, é importante que médicos e psicólogos incentivem o uso potencial positivo das redes e reconheçam o uso problemático”, disse o autor sênior do estudo Brian A. Primack , diretor do Centro de Pesquisa sobre mídia, Tecnologia e Saúde, da Pittsburg School of Medicine.

Também, segundo Primarck, os resultados podem orientar as intervenções clínicas e de saúde pública para combater a depressão. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a condição será a principal causa de incapacidade nos países desenvolvidos até 2030.

O bullying virtual e sensação de “perda de tempo”

Os pesquisadores controlaram outros fatores que podem contribuir para a depressão, incluindo idade, sexo, raça, etnia, status de relacionamento, situação de vida, renda familiar e nível de educação. O que não deu para controlar, segundo os cientistas, é se a depressão pode ser uma condição anterior ao uso aumentado das mídias. 

“Pode ser que as pessoas que já estão deprimidas estão se voltando para a mídia social para preencher um vazio”, disse Lui yi Lin, autora principal do estudo e estudante da Pittsburgh School of Medicine. A autora não descarta, entretanto, que, mesmo nesses casos, a mídia social sirva para ser um gatilho para a piora do quadro.

Ela explica que a exposição a representações altamente idealizadas de amigos em mídias sociais provoca sentimentos de inveja e a crença distorcida que outros levam uma vida mais feliz e mais bem-sucedida. Também o engajar-se em atividades de pouco significado em mídia social pode dar uma sensação de “perda de tempo”, que influencia negativamente o humor.

Ainda, passar mais tempo na mídia social pode aumentar o risco de exposição ao cyberbullying ou outras interações negativas semelhantes, o que pode causar sentimentos de depressão.

Os autores do estudo dizem, entretanto, que novas pesquisas devem afinar esses resultados. “As exposições às mídias sociais não são as mesmas. Estudos futuros devem examinar se podem existir riscos diferentes para a depressão, a depender da interação”, explica o pesquisador Brian Primack. “Por exemplo, pode-se medir se esse risco muda se a pessoa é mais ativa ou solidária na rede, ou se é mais passiva ou conflituosa.”

 

Assine e Colabore

Precisamos do seu apoio. Por menos de um café com pão de queijo, você garante jornalismo com rigor editorial.

X

Acesso restrito a assinantes e cadastrados

Você atingiu o limite de 5 REPORTAGENS por mês

Identifique-se para continuar e ler 10 Reportagens por mês

Cadastre-se

ou

Conecte-se com o Facebook

já sou cadastrado

Colabore conosco!
Colabore com o futuro do jornalismo de qualidade.
Assine agora e tenha acesso ilimitado

Aproveite nossa promoção de lançamento e pague apenas R$ 1,90/mês*

Quero Assinar * Promoção válida até 31 de Dezembro de 2017