Brasileiros

Falta de água e de saneamento afeta mais as mulheres ao redor do mundo

Página B - Mundo

Um estudo coordenado pelo pesquisador brasileiro Léo Heller, da Organização das Nações Unidas, a ONU, indica que mulheres sofrem mais pela ausência de políticas de saneamento
Da Redação
Publicado em: 22/08/2017 - 12:35Alterado em: 22/08/2017 - 12:35
Mulheres encarregas de buscar água (Foto: Fotos Públicas)

O acesso à água segura e ao saneamento sanitário não está disponível da mesma forma para homens, mulheres e outras identidades de gênero. É o que mostra estudo da Organização das Nações Unidas (ONU), coordenado pelo pesquisador brasileiro Léo Heller, que é relator especial sobre os dois temas na instituição.

Segundo Heller, que também coordena o Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas e Saneamento da Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz, em quase todas as localidades onde há falta ou má distribuição de serviços de saneamento, são as mulheres que coletam que coletam água para manter a higiene doméstica.

“A situação mais usual é que, quando não há água nas proximidades da residência, as mulheres e meninas são, na maioria das vezes, encarregadas de buscá-la em algum lugar, o que demanda tempo.”

Ele ressalta que essa situação reforça a dependência econômica delas de seus companheiros, já que não são remuneradas por esse trabalho. O  percurso de busca à água muitas vezes é longo, podendo apresentar riscos a essas pessoas de sofrerem ataques de todas as espécies, como de animais selvagens e violência sexual.

Sem acesso a banheiros, essas mulheres se valem de espaços abertos para fazerem suas necessidades, o que as deixa mais vulneráveis ainda.

A inadequação de espaços públicos atinge também a vida de mulheres transgêneros. Estudos feitos na Índia revelam que as transexuais enfrentam dificuldade em encontrar casas para morar, sendo forçadas a viver em favelas e áreas remotas, com sérios problemas de esgoto e distribuição de água.

Outro grupo atingido é a população em situação de rua. Em Belo Horizonte, Minas Gerais, uma pesquisa coordenada por Heller mostra que os albergues e as unidades de acolhimento não são em número suficiente para a quantidade de pessoas sem moradia.  

Heller ressalta que o estudo é importante para orientar políticas públicas voltadas para serviços de água e esgoto. “ÀS vezes, a legislação e as políticas públicas, quando são neutras em relação a essa questão, acabam favorecendo os homens.”

O estudo sugere ainda que os governos criem um sistema de indicadores de gênero para melhorar a coleta de dados desagregados por sexo e outros fatores relevantes que são necessários para avaliar o impacto e a efetividade das políticas que visão a igualdade de gênero.

Assine e Colabore

Precisamos do seu apoio. Por menos de um café com pão de queijo, você garante jornalismo com rigor editorial.

X

Acesso restrito a assinantes e cadastrados

Você atingiu o limite de 5 REPORTAGENS por mês

Identifique-se para continuar e ler 10 Reportagens por mês

Cadastre-se

ou

Conecte-se com o Facebook

já sou cadastrado

Colabore conosco!
Colabore com o futuro do jornalismo de qualidade.
Assine agora e tenha acesso ilimitado

Aproveite nossa promoção de lançamento e pague apenas R$ 1,90/mês*

Quero Assinar * Promoção válida até 31 de Dezembro de 2017